Tempo de Recomeçar

Tempo de Recomeçar
"Essa história vai emocionar você"

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Eles e Elas


Está difícil. É o que eu ouço falar sobre a dificuldade de as pessoas conseguirem viver um amor verdadeiro. Acredita-se que o amor vive escondido feito a tartaruga que se fecha à carapuça, e, somente às vezes, arrisca dar uma olhadela pra fora. A reclamação parte dos dois lados, homens e mulheres insatisfeitos com a falta de sentido que há nos relacionamentos.

As mulheres de hoje investem todas as suas fichas na “casca” se esquecem da seiva, aquela que nutre, sustenta, perdura. O mercado consumista não se restringe mais a venda de carros, roupas de grife, e blá blá blá, hoje as mulheres tornaram-se objetos de consumo, arrisco dizer que, quase não servem pra consumo propriamente dito, e sim para serem simplesmente olhadas.

As mulheres, lembremo-nos sempre das exceções, parecem não mais acreditar na originalidade, na delicadeza e no sagrado que há no ato de amar alguém. O essencial sucumbe a desejos imediatistas e fugazes. Vivemos numa revolução da vulgaridade, mulheres frutas, mulheres que se mutilam tentando ofuscar o vazio que as preenche. Mulheres prisioneiras de uma exterioridade corporal escravista. Será que é isso que um homem procura numa mulher? Não consigo imaginar essas mulheres-robôs sendo mães, sendo donas de casa, esposas companheiras e, sobretudo, sendo profissionais competentes.

A vaidade na medida certa é essencial, a aparência é importante, sim! No entanto, parece-me que há um excesso desmedido na busca da imagem perfeita, irretocável. Não por acaso, alguns homens referem-se a algumas mulheres de forma depreciativa: “tão bonitinha, mas tão burrinha!”. O inverso também corresponde. Quantas vezes nos deparamos com 1,80 de pura beleza e pecado e ficamos empolgadas (sim, homens, nós temos o costume de nos empolgar), mas, ao trocarmos uma única palavra, tudo vai por água abaixo... Enquanto que ao lado de um homem inteligente o tempo voa, a conversa flui como numa sinfonia de Beethoven. Os homens inteligentes e sensíveis possuem um feeling irresistível.

Faz algum tempo, em conversa informal com um grupo de alunas adolescentes, elas diziam-me que os só se interessavam pelos “gatos” da escola, pelos “pit boys” da balada. Diante da revelação, apresentei minha retórica, disse que não concordava. Olhei ao redor e vi um grupo de meninos saindo da biblioteca com as mãos cheias de livros, olhei pra elas e disse: eles sim são grandes partidos, serão, não tenho dúvidas, excelentes namorados ou amigos, que seja.

Elas me olhavam atentamente, percebi que podia prosseguir... Veja bem meninas, imaginem conversar com um garoto que leu Shakespeare, Machado de Assis, que gosta de música clássica e curte a natureza e conversar com garotos que, aos dezesseis anos de idade lê, no máximo, bula de engov, canta “eu quero tchu tcha tchu” e “aí se eu te pego”... Não dá né garotas! ? É o mesmo que trocar um cabernet sauvignon por raiska. Ainda bem que nesta hora o sinal do colégio soou e eu despedi-me com uma sensação de aula dada e um sorriso satisfeito na alma.

(Cassiane Schmidt)

domingo, 29 de abril de 2012

Solidão...


Já dizia o saudoso Renato Russo “O mal do século e a solidão”. Concordo. A sociedade passou por intensas transformações. Costumo dizer que o século XX marcou os grandes e rápidos avanços da humanidade. Entramos neste século a cavalo e saímos de avião.

Tanta informação e transformação respingaram, não poderia ser diferente, nos relacionamentos humanos. A solidão é a grande vilã do contexto em que vivemos. Em meio a tantos avanços tecnológicos e condições melhores de vida, surge um novo modo de vida: o isolamento.

Estamos nos isolando uns dos outros. Criando diques de contenção para nos proteger do mundo. O individualismo é uma característica marcante do novo contexto.

Pais cada vez mais atarefados e sobrecarregados pelo excesso de trabalho, mal encontram tempo para seus filhos. Os filhos, também com excesso de informação e uma gama de opções para passar o tempo, acabam perdendo de vista o foco de suas vidas.

Antigamente, (sei que essa frase soa clichê, mas é preciso retomar exemplos) os filhos nutriam uma relação mais próxima com seus pais, os pais repassam princípios e valores para os filhos, que eram muitos. Hoje, pais e filhos, maridos e esposas, mal se conhecem. Não tiram tempo para se conhecerem.

O ritmo da vida frenética assumiu as rédeas da convivência e a saúde nos relacionamentos adoece. É comum acompanhar depoimentos de pais que ficam surpresos ao descobrirem que o filho é um traficante, assassino. Vi um depoimento de uma mãe que ficou em choque quando seu filho foi preso, acusado de assassinato e formação de quadrilha. Os pais não prestam mais a devida atenção ao seu rebento.

Pergunto-me, como uma mãe não conseguiu observar que havia alguma coisa de errado no comportamento do filho? Esse é apenas um dos inúmeros casos em que a família não se dá conta do que esta acontecendo em seu entorno. É nessa conjuntura solitária dos tempos hodiernos que as pessoas sobrevivem.

A solidão ganhou uma cara nova, ela não é mais caracterizada pelo sentimento de “estar só” e sim passou para o sentimento de “sentir-se só”. Hoje a solidão está entre as massas. Observa-se, cada vez mais, homens e mulheres bem sucedidos profissionalmente, mas, solitários e infelizes.

Costumo dizer que a pior solidão é aquela vivida a dois.

O campo das relações está minado de solidão. Ninguém mais encontra tempo de ouvir o outro, é cada um por si e Deus por todos. A sensibilidade, tão necessária para um relacionamento saudável, encontra-se relegada ao esquecimento.

Talvez isso explique a instantaneidade dos rompimentos. As pessoas agem e se envolvem por impulso, por carência. Na primeira crise, a casa cai.

Relacionamentos relâmpagos, crises existências, fugas, e, lá vem ela: a solidão.

É preciso preencher nossos “vazios”, estaremos aptos a viver a dois quando conseguirmos estabelecer um bom relacionamento com nós mesmos. Muitas pessoas mal suportam a si mesmas, como poderão suportar a outros, aos defeitos do outro.

Amar a si próprio é o primeiro passo rumo a uma vida mais plena de sentido e mais distante da solidão.



(Cassiane Schmidt)




sexta-feira, 13 de abril de 2012

Amigo fiel


É difícil definir a palavra amizade, muito mais difícil é provar o gosto doce da fidelidade. Hoje, especialmente, venho falar de grandes amigos. Os amigos mais verdadeiros que conhecemos sobre a terra, eles desconhecem dinheiro, fama, poder.

Eles simplesmente amam incondicionalmente, ficam ao nosso lado em qualquer situação. A única coisa que eles esperam é um afago, um carinho. Creio que o leitor já identificou, pelas características acima, de quem estou falando: os cães.

Isso mesmo, os nossos queridos amigos de todas as horas. Os cães possuem o segredo da verdadeira amizade, eles dispõem de uma capacidade superior à humana, a capacidade de amar incondicionalmente, de permanecer inabalável em seu afeto.

George G. Vest, ex-senador americano escreveu um tributo aos cães, recortei um trecho que diz: “… O mais altruísta dos amigos que um homem pode ter neste mundo egoísta, aquele que nunca o abandona e nunca mostra ingratidão ou deslealdade é o cão”.

Muitas histórias narram eventos onde os cães salvaram seus donos da morte, salvaram-se uns aos outros. Ainda ontem vi uma reportagem onde um cão salva seu filhote do afogamento, simplesmente uma imagem tocante! Esses anjos de quatro patas merecem todo o nosso respeito, toda a nossa admiração. Temos muito que aprender com eles, muito mesmo!

Quem de nós recebe com tanto fervor nossos familiares quando eles retornam a casa, depois de um longo dia de trabalho? Quem?

Se eu pudesse definir o conceito de felicidade, eu diria que a felicidade é o lugar onde o amor nasce e desaprende a morrer. Esse tipo de amor mora nos cães.

Se abríssemos espaço teríamos inúmeros e comoventes relatos de experiências entre cães e seus donos, histórias dignas de cinema!

Por isso, fico devastada (acredito que essa é a palavra que melhor define meu estado) quando presencio cenas de maus tratos aos cães, e a outros animais indefesos. Não sei, ou melhor, não posso dizer o que penso a respeito desses covardes que maltratam seus cães, que os abandonam. Irão pagar muito caro os saldos dessa crueldade. Acredito que uma pessoa que tem a coragem de espancar um animalzinho até a morte, deve ser punida com severidade, contudo, o mal que se faz jamais será apagado.

Atitudes como essa levantam uma questão: quem são os verdadeiros bichos?

Vale lembrar a esses desalmados que maltratam animais que existe lei contra esse tipo de crime: "Artigo 32 da Lei Federal nº. 9.605/98, diz o seguinte: “É considerado crime praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, doméstico ou domesticados, nativos ou exóticos”. Pena - Detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano e multa”

As pessoas devem ser conscientes que o cachorro não é um objeto de decoração no jardim, eles sentem medo, sentem saudade. Eles precisam de atenção e de cuidados, por isso, quem não puder cuidar e dar a devida atenção, não deve ter cachorros. Cachorro é coisa séria, é preciso pensar muito bem antes de adquiri-los.

Felizmente, hoje existem muitas pessoas e organizações que se mobilizam para proteger e assistir animais desamparados e maltratados pelos seus donos.

Lembre-se que o amor de um cão é uma experiência única, por isso, cuide bem do seu cão, pois ele está o tempo todo cuidando de amar você!


 

(Cassiane Schmidt)

quarta-feira, 11 de abril de 2012

A aventura de viver


O que nos define plenamente é o tempo. Somos o espelho dos dias. Sempre haverá dois caminhos, isso é que torna a existência humana desafiadora. Esses dois caminhos muitas vezes se transformam em labirintos. As provações fazem parte da grande aventura de viver.
Osho, filósofo indiano e líder religioso tem uma excepcional definição de desafio, ele fala de maneira consciente sobre a aventura da vida: “A vida só é possível através dos desafios. A vida só é possível quando você tem tanto o bom tempo quanto o mau tempo, quando tem prazer e dor; quando tem inverno e verão, dia e noite; quando tem tristeza tanto quanto felicidade, desconforto tanto quanto conforto...”
Torna-se difícil pensar essas duas distintas faces da realidade, pois a natureza humana é movida em busca da felicidade plena, o que, convenhamos, é impossível! Não se trata de um discurso pessimista, basta que cada um observe sua trajetória e verá que no diário de bordo de suas vidas, nem tudo foram flores, houve momentos de tempestade, houve momentos de sol, viver é equilibrar-se na gangorra dos desafios que nos espreitam por todos os lados.
O diferencial das pessoas que atingem um nível superior e que conseguem manterem-se felizes e realizadas por longos períodos está no fato delas saberem tirar proveito do mau tempo. Aprender com a dor nos fortalece, nos ensina a preservar a felicidade.
A felicidade é indescritível, desconhece bússola ou mapa, a sinalização de sua presença requer simplicidade, nunca encontrei felicidade na sofisticação. Para ser feliz é preciso cultivar o espirito das coisas simples. Simplicidade aqui é sinônimo de conexão, conectar-se com o mundo através do coração, é viver intensamente momentos aparentemente banais. Estabelecer vínculos com a natureza simples das coisas significa amar o próximo, desejar o bem de todos, despojar-se de sentimentos mesquinhos.
Hoje o conceito de felicidade está desfigurado, a grande maioria das pessoas associa felicidade ao dinheiro, posição social. É comum ouvir pessoas que afirmam que só serão felizes quando tiverem isso ou aquilo, felicidade não é ter, felicidade é a capacidade de ser! Ser mais gentis, mais solidários, é desenvolver a capacidade de ouvir o que o outro tem a dizer, saber ouvir é uma virtude da pessoa sábia.
Ser feliz exige que desçamos ao topo de nossos calcanhares. Não há felicidade que não tenha se banhado em doses generosas de sofrimento (autoconhecimento) é preciso sofrer para ser feliz? A resposta está contida na história individual de cada um de nós. Há pessoas que estacionam no sofrimento e encontram sérias dificuldades de seguir adiante, enquanto outras conseguem virar a página, seguem adiante construindo castelos com as pedras que lhes feriram os pés. Viver é seguir adiante, sempre! Até quando tropicamos somos projetados para frente.
 Cada um sabe o gosto amargo-doce de suas experiências, aprendi a multiplicar conhecendo a dor do dividir, aprendi que a perda nos leva a novos ganhos. Passei a admirar a primavera quando o sol e o escuro do inverno tocaram minha janela. Descobri a solidão quando estava acompanhada, a solidão a dois é uma dor dilacerável, descobri plurais no singular.
Viver é um eterno recomeçar. A realidade é contraditória, sabemos, mas viver é isso, é saber dançar a música dos dias, é ter coragem para tomar as decisões, é feita de acertos e erros. Os erros quando bem compreendidos, são ferramentas eficazes para o crescimento interpessoal.
Como dizia o poeta Carlos Drummond de Andrade “Ser feliz sem motivo é a mais autêntica forma de felicidade.”



(Cassiane Schmidt)

cassianeschmidt@yahoo.com.br





sexta-feira, 30 de março de 2012

O amor têm prazo de validade?

Pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em dezembro de 2008 revelou que o número de divórcios no Brasil subiu 200% entre 1984 e 2007, segundo dados da pesquisa "Estatísticas do Registro Civil 2007". Em números absolutos, os divórcios concedidos passaram de 30.847, em 1984, para 179.342, em 2007.

Será que o amor tem prazo de validade? Acredito que não. Creio que este número crescente de desenlaces deve-se a uma série de fatores que variam, é claro, em suas peculiaridades, a velha história “cada caso é um caso”, além do tempo que tratou de mudar a antiga e tradicional conjuntura familiar.
Mas o fato é que antigamente os casamentos duravam mais, talvez as mulheres fossem mais submissas e o divórcio era considerado um ato “vergonhoso” para elas, veja bem, para a mulher! Os homens tinham uma espécie de amparo moral da sociedade, ele podia trair, ele podia maltratar sua esposa, ele podia tudo, afinal ele era homem!
Mas os tempos mudaram, as mulheres conquistaram seu espaço na sociedade, sua independência econômica e, isso talvez, tem sido um fator decisivo para elas não se submeterem mais aos desmandos de alguns maridões covardes e machistas de antigamente! Não que essa espécie despareceu por completo, ela ainda existe, não é raro encontrarmos homens que não respeitam e dignificam suas esposas. Mas este não é um discurso feminista, há também mulheres que não honram, nem tampouco respeitam seu matrimonio, em tudo há sempre os dois lados da moeda.
É interessante conversar com um casal lá da década de 50, 60 para ter uma noção de como funcionava a dinâmica dos relacionamentos. O rapaz se aproximava da guria, os encontros eram em tardes dançantes que começavam às três da tarde e terminavam antes que o sol se escondesse atrás do desejo insaciável de permanecer ao lado da amada (o). O rapaz deixava a moça na porta de casa, isso já sinalizava compromisso sério, se ele tivesse um cavalo e um terreno, melhor ainda.
O namoro era em casa, na casa da moça, no sofá, sob os olhos atentos da futura sogra. Mal se podia pegar nas mãos. Desse modo o casório era coisa rápida, os noivos tinham sede de solidão, da solidão a dois, onde os dois eram cúmplices dos primeiros desejos. Geralmente casavam-se jovens, tinham muitos filhos, e o amor e romantismo ia cedendo lugar a rotina e ao choro de criança.
A mulher largava-se aos afazeres da casa e os anos passavam. Nesta época falar em divórcio era proibido, um palavrão! As mulheres se contentavam com sua vida e achavam que tudo era assim mesmo.
Hoje não! Hoje as mulheres impõem sua opinião, não se sujeitam a nenhum tipo de humilhação e a separação tornou-se fácil e prática, e nem é mais motivo de vergonha. Contudo, nem um tempo foi totalmente negativo, muito menos esse tempo que vivemos hoje está sendo totalmente positivo para os relacionamentos, afinal os números mencionados anteriormente assustam.
Se antigamente as mulheres toleravam tudo, hoje elas estão pedindo o divórcio na primeira briga, observa-se um nível elevado de imaturidade entre os casais. Uma falta de diálogo e uma acentuada dificuldade de enfrentar problemas e crises conjugais. Hoje é tudo ou nada. Quem sofre as consequências dessa desestabilização familiar são os filhos, que acabam entrando involuntariamente nos próximos relacionamentos de seus pais.
A estrutura familiar mudou drasticamente, isso também é um forte fator que desestrutura os chamados "segundo casamento". Cada um vem com sua bagagem (filhos), o que acaba, na grande maioria das vezes, gerando conflitos e novas separações.
O assunto é complicado, dá pano pra manga, mas o amor, o verdadeiro amor não cabe em nenhuma das situações acima, ele sobrevive às intempéries da vida. Ele não se encaixa em estatísticas, ele simplesmente vence todos os obstáculos e provações que surgem no caminho. Por isso, cuide bem do seu amor, pois se ele for verdadeiro, não há tempo que o faça perder a validade!
(Cassiane Schmidt)

quinta-feira, 29 de março de 2012

Homenagem

O céu recebeu nesses últimos dias dois grandes talentos:


Ator, humorista e também pintor, Chico Anysio faleceu nesta sexta-feira, dia 23/3/12, vítima de problemas nas funções respiratória e renal, no exato ano em que comemora 65 anos de carreira, uma perda enorme para o país.

O escritor, desenhista, dramaturgo e humorista Millôr Fernandes morreu na noite de terça-feira (27/3/12), no Rio de Janeiro, aos 87 anos. Ele estava em casa e foi vítima de falência de órgãos múltiplos.


Esta é a verdade: a vida começa quando a gente compreende que ela não dura muito.


quarta-feira, 28 de março de 2012

(*_*)








Ineficiência das leis



Não me canso de falar, sou repetitiva, pode ser. Mas o fato é que a falta de vergonha e de leis eficientes nesse país me embrulham o estômago. Explico. Estou a falar dos velozes e furiosos do asfalto. Nesta semana mais um caso de um jovem que atropelou e matou um ciclista, o ajudante de caminhão Wanderson Pereira dos Santos, de 30 anos morreu no local. Mas o motorista é nada mais nada menos que Thor de Oliveira Fuhrken Batista, filho do empresário Eike Batista.
Thor, segundo as leis regidas pelo DETRAN, não poderia estar dirigindo, pois tinha registrado em sua habilitação 11 multas e acumulado 51 pontos na carteira de habilitação nos últimos 18 meses.
O advogado da família Batista defendeu-se com argumentos minimamente ridículos, alegou que nem sempre era o jovem quem dirigia o carro, ou que as multas podem ter sido de antigos proprietários do veiculo, ah tá, conta outra, como se o filhinho do homem mais rico do país iria comprar carro usado. Por favor, não subestimem a inteligência do povo brasileiro.
Outro fato que chama atenção é que logo após o acidente, antes mesmo da policia chegar ao local, Thor foi levado pelos seguranças para casa, ou seja, não permaneceu no local do acidente para cumprir os trâmites que uma situação como esta requer, por exemplo, bafômetro!
Somente no outro dia, acompanhado do seu advogado e com cara de santinho, compareceu a delegacia para prestar depoimento. Nem preciso dizer que o moço se declarou inocente e ainda colocou a culpa no pobre do ciclista que, segundo relato de sua mãe, fazia esse trajeto todos os dias, e nunca trafegava sobre a pista.
Mas nesta história quem será o culpado, o pobre ajudante de caminhão que voltava para casa depois de um dia de trabalho ou o Thor, filho do homem mais rico do Brasil?
É lamentável que as leis não tenham a mesma validade para todos os cidadãos, ela varia de acordo com a classe econômica. Assim como o jovem Thor existe centenas de filhinhos de papai atropelando e matando gente inocente pelas ruas, exagero? Ligue o noticiário. O fato é que os pais, são negligentes, passam a mão na cabeça dos bermudões, pagam a fiança, compram delegados, guardas (há exceções) e levam seus filhotes para casa, e tem mais, compram-lhe outro carro novo, não permitem que seus filhos assumam a consequência de seus atos.
Enquanto os pais não imporem limites aos seus filhos, a sociedade corre perigo. Educar é algo indissociável da paternidade, infelizmente, tem muitos empresários que estão mais preocupados em acumular patrimônio, enquanto seus filhos deixam um rastro de destruição por onde passam, ou melhor, voam!

(Cassiane Schmidt)

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Pais e filhos: "Limites sem traumas"


Dia destes estava eu em uma loja de brinquedos, quando pude observar um pequeno que lá estava, não tinha mais que uns sete anos de idade. Ali mesmo na loja, em frente a todos, o garoto ia exigindo de sua mãe uma quantidade sobeja de brinquedos, algo sem limites.
A mãe, uma jovem de uns 19 anos, no máximo, surpreendentemente comprou todos para o moleque, alegando diante do olhar abismado do caixa, que creio nunca ter vendido tanto brinquedo para uma só criança.
- Vou comprá-los, do contrário ele se põe aos prantos!
Fiquei surpresa, e confesso preocupada, com a atitude pusilânime da mãe frente aos desmandos do garoto. Depreendi da lamentável cena, que dias difíceis virão se os pais não estiverem cônscios de sua responsabilidade na educação de seus filhos.
Hoje, a criança recebe uma overdose de brinquedos, e no futuro? do que será a overdose? Quais os sistemas de compensação que irão satisfazer os jovens, quais as mamadeiras psicológicas nas quais estes mesmos jovens irão matar sua sede?
Os limites são essenciais na infância e na adolescência, não falo dos limites castradores, que comprometem o potencial, que prejudique a autoestima, refiro-me aqui dos limites saudáveis, aqueles relacionados aos bons modos, a educação.
Percebo uma geração de pais confusos, apáticos em relação à educação dos seus filhos, vá lá, educar dá muito trabalho! Requer que os pais tirem tempo para conversar, debater, educar verdadeiramente gera conflito, pois o interesse dos pais vai contra os interesses imediatistas e, muitas vezes, irresponsáveis dos filhos.
Já cansei de ouvir pais que alegam não terem tempo para seus filhos, acabam terceirizando a educação do rebento, relegando a responsabilidade aos professores, babás, etc... Em muitos lares pais e filhos mal se enxergam, principalmente nos lares onde dinheiro não é problema, onde os pais sobrecarregam seus filhos de atividades. Vi um entrevista onde uma menina de seis anos de idade relatou estar cansada e depressiva, pois fazia aula de ballet, inglês, natação, e treinava basquete, fora seus compromissos escolares. Isso é um absurdo!
Antigamente, não faz muito tempo, os pais tinham um controle maior sobre a educação do filho, bastava um olhar de reprovação do pai, que a criança já entendia o recado.
Hoje os papeis estão se invertendo, filhos mandam e desmandam nos pais, escravizam seus pais para manterem seu status, são irresponsáveis e, retomo o tema deste texto, “desconhecem limites”. Não estou generalizando, por sorte, às vezes, confesso que raramente, eu encontro jovens educados, estudiosos, que respeitam seus pais e seus professores, esses sim, terão um futuro brilhante pela frente! E o melhor ainda, agradecerão aos pais as “rédeas” que lhes foram colocadas durante a infância e adolescência.
Vou mencionar um dos reflexos dessa inversão de valores, dessa falta de limite que não existiu lá nos primórdios da infância, vou citar um apenas, que está evidente em nossa sociedade, Gaspar enfrenta isso quase todos os finais de semana.
São os acidentes de carro envolvendo jovens entre dezoito e vinte e nove anos de idade, salvo raríssimas exceções, todos os acidentes ocorrem na pós-balada, e a ingestão de bebida alcoólica está presente.
Educar, conscientizar é um caminho que deve ser trabalhado desde a infância, os pais precisam assumir seus postos, dedicar tempo aos seus filhos, pois somente assim, poderemos pensar num futuro mais promissor para nossa sociedade. Limites sem traumas, isso é possível, basta que os pais assumam sua responsabilidade sobre a educação dos filhos; a sociedade agradece!



Cassiane Schmidt

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Fotografia: Cassiane Schmidt
Paisagem:  Lulu


Hoje acordei meio dia
Respirei dois goles de saudade
Fechei as cortinas
Quero mudar de cidade...

Sou avessa à rotina
Não gosto dessa coisa de estar sozinha
Solidão não é plural de gente
Se fosse assim as multidões seriam contentes

Quero um prato de flores
Um vaso de terra
Respirar novos amores
Construir uma casa na primavera

Uma cachoeira e uma lanterna.
Ver a noite desfilando vaga-lumes
O barulho da água feito fechadura
Abrindo portas dessa escura caverna.

Abrir as cortinas
Olhar o calendário sem tristeza
Ver lá fora o que não via
Ser um poema esquecido em cima da mesa...

{Cassiane Schmidt}

domingo, 22 de janeiro de 2012

Big Vergonha Brasil



Hoje vou falar sobre o escândalo protagonizado por dois participantes da décima segunda edição do Big Brother Brasil. Em primeiro lugar, gostaria de esclarecer que sinto verdadeiro desprezo por este programa, acho-o de uma baixeza generalizada, uma vergonha!

Não contribui em nada, não há nada que remeta algum tipo de aproveitamento cultural, um programa de moças que exibem corpos esculturais e que não conseguem manter um diálogo decente, muitas delas deveriam procurar um fonoaudiólogo, pois até ouvi-las falar é insuportável. Elas confirmam a minha estatística, 99,9% dessas modelos passam a vida lapidando a casca, enquanto o cérebro vai se atrofiando... Acredito até que um reality show com chimpanzés seria bem mais interessante do que isso que a Rede Globo exibe.

Mas, vamos aos fatos que remeteram ao escândalo. Na primeira festa oferecida aos participantes, houve um incidente envolvendo um rapaz e uma moça, cujos nomes nem vale a pena mencionar.

Depois de tomarem todas e ficarem se (desculpem a expressão) esfregando feitos dois animais, a mocinha e o rapaz, que já estavam “pra lá de Bagdá”, foram pra onde? Pra onde? Pra debaixo do edredom, é claro!

A garota, depois de alguns instantes, aparentemente, “apagou”, mas, o rapaz estava muito aceso e, segundo alguns espectadores que acompanharam tudo pela tevê fechada e pelas cenas amplamente divulgadas e exploradas pela emissora de Televisão Rede Record, que, diga-se de passagem, possui um programa semelhante, dão conta de que ele teria supostamente abusado sexualmente dela enquanto ela dormia. (pobrezinha)

O fato caiu nas redes sociais feito um estopim e o rapaz foi expulso do programa, o motivo alegado pelo Pedro Bial foi: “ele foi expulso do programa por conduta inapropriada”. Menos Bial, menos!Quem deveria ser expulso do programa deveriam ser os organizadores que armam uma arena medieval, confinando um bando de jovens, disponibilizando bebida “à lavonté”, edredom e liberdade. O resultado não poderia ser outro.

Todas as evidências apontam que ela consentiu e até instigou o jovem durante toda a festa para o ato libidinoso, por isso, o fato, do meu ponto de vista, foi consensual, ambos embriagados, foram para debaixo do abominável edredom das trevas. Óbvio que o ato cometido por ele, se é que a bela adormecida dormiu mesmo, é condenável e ele deve responder pelo que fez. Contudo, ela também deveria ser expulsa do programa, pois também manteve conduta inapropriada.

Mas, por que será que ela ficou? Simples de entender:no dia seguinte a mocinha acorda com a cara da Madre Tereza de Calcutá, diz que não se lembra de nada, deixa o rapaz em maus lençóis, levando-o a ser expulso do programa e ela passa por vítima.

Nesta semana, o apresentador Bial, com a cara mais lavada do mundo, inicia o programa afirmando que a jovem afirma que não houve nada demais, que tudo não passou de um mal entendido. Mas cadê o rapaz? Se nada aconteceu, se tudo foi consentido, por que ele foi expulso?

A Rede Globo comprou o silêncio da jovem em troca de sua permanência na casa, pois se ela representasse o caso perante a justiça o programa sofreria sérias consequências... Ela fica, ele sai, tudo continua igual. Nenhum dos participantes toca no assunto! A Rede Globo dá um cala boca geral na rapaziada, assunto encerrado. E, assim, os heróis do Pedro Bial continuam sua mais ridícula saga pela tevê.

Plim...Plim

(Cassiane Schmidt)

Natal


Escrever sobre o tema “Natal” é difícil e, convenhamos, mesmo ocorrendo uma vez só ao ano, os discursos natalinos acabaram se tornando piegas, repetitivos. Por isso, quando nos é solicitado escrever uma crônica sobre o natal, passa um turbilhão de dúvidas do que escrever.

Estou cansada de papais-noéis com a barba desfeita, desfilando em limusines, dos papais-noéis estressados que são obrigados a ficarem horas  sentados numa cadeira dum Shopping Center.

O melhor Papai Noel é aquele que mora em nossa imaginação! (De preferência em nossa imaginação de criança)

Encontrar a fórmula exata, que seja capaz de fisgar a atenção dos leitores e, principalmente, tocar um Jingle Bells em seus corações é quase impossível, diante de um dezembro tão desfigurado pelo consumismo.

Quando eu era criança eu colocava um sapatinho no beiral da janela na noite que antecedia o natal, onde o Papai Noel deixava um presente. “seja rico, ou seja, pobre, o velhinho sempre vem... (vence?)” lembram-se dessa cantiga?

É claro que havia o discurso da mãe: “O Papai Noel só vem se você for uma boa menina, se não ficar em exames na escola, se comportar-se”. Morro de saudade desse tempo, contudo, as recomendações somente eram colocadas em pratica, confesso, em meados de novembro, quando a figura do Noel era mais presente e o bom comportamento se fazia mais urgente.

Natal tem a ver com tempo, quando era criança esta ocasião era uma eternidade, hoje, tornou-se um relâmpago! Os meses cavalgam apressados sobre as horas e dezembro está sempre ali, nos observando.

 Não sei de vocês, mas para mim o mês de dezembro é o mês mais difícil do ano. Por quê? , porque ele nos empurra para a reflexão, fecha uma porta entulhada de memórias e abre outra cheia de esperanças, e incertezas, também.

Para nós, pobres mortais, digerir o passado e lidar com as angústias que o futuro guarda, não é tarefa fácil.

Natal também é luto, porque mais cedo ou mais tarde, alguém desaparece da mesa, uma cadeira vazia, um coração triste, uma vela que se apaga, um presente a menos embaixo do pinheirinho.

Luto não é feito apenas de morte, mas da ausência emocional de alguém que amávamos tanto e que não pertence mais ao nosso contexto.

Olhando pra tras, encontrei uma crônica natalina que escrevi para o Jornal Cruzeiro em dezembro do ano de 2007, onde eu dizia que o mais importante: “Não são os presentes que ganhamos, mas, as pessoas que estão junto de nós. Não é a ceia farta de natal, é a mesa cheia, cheia de gente...”.

Mas, tudo bem, nem tudo são perdas, o passado é especialista em construir paredes, para muito nós este Natal será uma ocasião de olhos vermelhos, de coração saudoso, de novidade, de ausência.

Este ano não vou acender velas, nem fazer pedidos, meu pinheirinho de natal estará enfeitado de casulos!



 (Cassiane Schmidt)

sábado, 10 de dezembro de 2011

Velozes e Furiosos


Assustadora. É com essa palavra que inicio a crônica de hoje. Não vou deixá-los curiosos, pretendo falar de um homicídio silencioso e devastador que vem tirando a vida de muitas pessoas, dia após dia.
Refiro-me a violência no trânsito. Ligo a tevê, abro o jornal, sintonizo uma estação de rádio qualquer, e, lá está ela, a notícia: mais um vitima fatal de acidente de trânsito.
A edição do Jornal Nacional exibida em maio de 2011, revelou uma estatística preocupante do (DNIT) Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte, a pesquisa revelou que Santa Catarina é o estado com maior proporção de mortes nas estradas, o estudo mostrou que, no ano passado (2010), aconteceu, em média, uma morte a cada seis quilômetros de rodovia no estado.
Parece-me que a terceira guerra mundial está declarada, as armas são os carros e a imprudência dos motoristas.
O (SIM) Sistema de Informações de Mortalidade do Ministério da Saúde, cujos dados de 2010 revelaram: 40.610 pessoas foram vítimas fatais, sendo que 25% delas se deram por ocorrências com motocicletas.
Muitos se refugiam na desculpa que as estradas no Brasil, mais precisamente nossa famosa BR 470 encontra-se em péssimas condições, mas pensem comigo, discordem, concordem, mas, em minha opinião, quanto mais degradada à condição das estradas, maior deve ser o cuidado que o motorista deve ter.
Se a BR 470 ainda, infelizmente, não foi duplicada, evitem as ultrapassagens, andem devagar! Eu não entendo o porquê de tanta pressa, em minhas incursões pela 470 já presenciei cenas dignas de cinema, (velozes e furiosos ficam no chinelo) ultrapassagens em curvas sem a mínima visão, pessoas que escaparam por um triz de uma colisão fatal e que não se intimidaram diante do susto, continuaram se aventurando pelas frágeis e desastrosas curvas do Vale.
Nessa história, tudo é muito relativo, pois cada vez mais aumenta o número de acidentes fatais em rodovias duplicadas e em bom estado de conservação, parece-me, que nesse contexto, os motoristas pisam ainda mais fundo no acelerador, imprudentes!
Há motoristas que se sentem onipotentes diante do volante e acabam provocando tragédias.
Vários motivos contribuem para o cenário que estamos presenciando, carros cada vez mais potentes, talvez isso explique o fato de que alguns homens só conseguem sentirem-se potentes atrás do volante... Descontam suas impotências no acelerador, covardes!
Falo dos homens, pois o fato (comprovado) é que os acidentes fatais têm como protagonistas os homens, as mulheres são mais prudentes, seus acidentes não passam de um amassado aqui e um arranhãozinho ali. Um estudo minucioso realizado pela Confederação Nacional de Municípios intitulado “Mapeamento das Mortes por Acidentes de Trânsito no Brasil”, publicado em 2009, revelou que as mulheres se envolvem 4,5 vezes menos em acidentes de trânsito com mortes do que os homens.
Fico consternada pelos inocentes que tem a infelicidade de cruzar o caminho desses motoristas imprudentes, pessoas que, involuntariamente, perdem a vida por conta da irresponsabilidade e, porque não dizer, da insanidade de alguns motoristas.
A mídia, por outro lado, com suas propagandas alucinógenas, incentivam a imprudência, associam velocidade à ideia de liberdade. Infelizmente o Brasil é um país burocrático demais para colocar as leis para funcionar. Um exemplo? Lei Seca, só existe no papel, na pratica nada acontece!
De nada adianta estradas em boas condições se a índole do motorista é voar e não trafegar pelas estradas!

Cassiane Schmidt | Gaspar

Edição 1350

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Palavras

A palavra é meu pôr do sol
É o que me lava de toda angústia
É para tristeza um anzol
Minha constante busca.

A palavra é meu silêncio
Minhas ruas
Quanto mais escrevo
Mais me sinto nua

É difícil contornar o espelho
Olhar pra traz
Encarar os medos
Dizer nunca mais

Retiro da estante um porta-retratos
Escondo na gaveta uma vida
Os sonhos viram fatos
E o horizonte se transforma em partida...




Quem disse que a vida é fácil?

(Cassiane Schmidt)